9 abr 2021

Resenha – A Menina Submersa: Memórias.

Nesse livro, conhecemos India Morgan Phelps, para os íntimos Imp. Ela é uma jovem adulta extremamente interessante além de ser gentil e carismática Imp sofre de esquizofrenia.

•––––––★––––––•
Título Original: The Drowning Girl: a memoir. Autor: Caitlín R. Kiernan.
Editora: DarkSide. Páginas: 320. Ano de Publicação: 2012.
•––––––★––––––•

No livro acompanhamos sua história de fantasmas, relatos de uma mente peculiar onde se passa muito mais coisa do que podemos imaginar e as vezes até acompanhar.

‘Não tinha percebido que também sou louca – e que provavelmente sempre havia sido – até alguns anos após a morte de Rosemary (mãe).’

Com a narrativa de Imp não sendo linear, não conseguimos dizer o que é realmente verdade e o que é a história de fantasmas de Imp, deixando a gente com aquela sensação confusa no ar, sensação que na minha opinião é propositalmente colocada na nossa cabeça para nos sentirmos dentro da mente confusa de Imp.

‘ Não há razão para ficar fora de casa à noite , sob o céu noturno , se eu não puder ver as estrelas.’

Nesse livro podemos sentir as dificuldades que uma pessoa com esquizofrenia passa para se manter lucido, mas aprendemos também como a medicação e uma rede de apoio é importante para que essa lucidez permaneça.

Imp relaciona sua esquizofrenia com o canto da sereia, ela diz que os remédios são como algodões no ouvido dela, que fazem esse canto não entrar na mente dela, o problema é, e se ela decidir escutar o canto da sereia o que acontecerá?

“o desconhecido é apavorante, mas a certeza me amaldiçoa. Datilografar é um risco, acender um fósforo é um risco, fechar um acordo é um risco, tocar um acorde é um risco, a troca é um risco, viver é um risco.”

Um livro extremamente profundo, propositalmente confuso, porém cheio de significados e passagens extremamente interessantes, A Menina Submersa com certeza nos marca, não só pela confusão, mas sim pelas suas passagens marcantes e por tamanha profundidade que precisamos mergulhar nessa história, nos deixando completamente submersos nos pensamentos de Imp.

Li esse livro em uma leitura coletiva que a minha amiga @catrinanerd fez, com certeza uma leitura que vai ficar marcada, voltarei um dia a ler esse livro com muita vontade de descobrir mais ainda as peculiaridades da mente de India Morgan Phelps.

“ Você não é a garota que se afoga. Não nessa história que está escrevendo. Você é a garota que aprende a nadar.”

14 Comentários

  • Eu comecei a fazer a leitura desse livro e parei, também achei muito confuso, embora não tenha achado um livro ruim. Pretendo continuar ele ainda esse ano.

  • Eu li muitas resenhas desse livro, acabei comprando, mas honestamente, não era para mim, infelizmente, desisti da leitura e dei a obra que me cativou mais pela estética da capa. Apesar disso, não nego a grandeza da obra, só não era para mim mesmo. a pessoa que presenteei com o livro, fez uma análise muito similar a sua.

    • Infelizmente tem livros que não são para a gente né , eu também já li um livro que definitivamente não era pra mim , tanto que decidi guardar a análise só para mim e para a autora, que no caso era uma autora nacional que havia pedido minha opinião sobre o livro. Fico feliz que a pessoa que ganhou o livro tenha gostado da história e feito uma análise similar a minha , fiquei curiosa para ler essa análise.

  • Acredito que, eu ainda não tenho lido nada trazendo uma personagem que sofre de esquizofrenia. Apesar ser gentil e carismática. Com toda certeza seria uma experiência totalmente diferente. Acho que será realmente intrigante acompanhar essa história

    • Sim é uma experiência bem diferente , digo por conta própria é bem intrigante também , espero que quando decida ler goste, me fale o que achou do livro depois que ler. 😊

  • Oi, tudo bem? Já ouvi falar desse livro mas nem lembro porque não o comprei. Achei a premissa interessante e fiquei bem curiosa quanto ao conflito apresentado pela autora. A questão de saber o que é verdade ou “alucinação” do personagem. Me fez lembrar um pouco de A mulher na janela. Acredito que quando a história é narrada em primeira pessoa corremos o risco de sermos enganado pelo julgamento de valor de cada personagem. Diferente quando é um narrador-observador que é mais distante de tais emoções. Concorda? Um abraço, Érika =^.^=

    • Nossa super concordo com você, sempre corremos esse risco quando o livro é narrado em primeira pessoa. E eu sou apaixonada pelo livro A Mulher na Janela também (tem resenha aqui no blog dele.), acho que justamente por ficar esse mistério no ar de “será que é verdade ou é a cabeça do personagem?” eu amo esse ambiente de que precisamos descobrir essas coisas.

  • Oi, Isa. Tudo bem? Já resenhei esse livro há uns anos. E também foi fruto de uma LC que eu fiz com uns amigos.
    Livro complexo tanto para ler, quanto para escrever sobre, né? Eu gosto muito dessa história. E como psicóloga, adoro tudo que tem a ver com Saúde Mental. Outra coisa: eu virei fã da autora. O livro dela de contos, um livro lindíssimo que também saiu pela DarkSide Books, é muito bom. Se você curtiu a escrita doida da Caítlin, vai curtir esses contos também. Resenhei ele e fiquei muito contente de conhecer mais dela.
    Adorei sua resenha!!! Adoro quem ousa falar de algo mais assim, complexo!
    Beijão

    • Oii , nossa eu amei saber que você é psicóloga eu estou começando minha faculdade de psicologia agora e acho que por isso esse livro nos intrigou tanto né eu também adoro tudo que tem a ver com saúde mental e sempre me pego lendo coisas do tipo muito admirada e interessada sabe? Não sabia desse novo livro da Caítlin, bom saber vou procurar para ler.
      Fico feliz que tenha gostado da resenha de coração , vindo de uma psicóloga é um baita elogio. ❤😊

  • Hallo, Isa. Esse livro tem opiniões bem divididas rs já vi muita gente criticando pela narrativa confusa, e outros – como você – que gostaram dessa particularidade. Eu só saberia ter alguma conclusão mesmo se puder ler algum dia.
    Um que possui um personagem esquizofrênico e que q narrativa e bem nessa vibe é o livro O som e a furia, do Falkner. Recomendo 😊
    Tschüss

    • Sim realmente é um livro que divide opiniões , eu também já vi muita gente criticando por essa narrativa confusa, mas confesso que eu achei que é algo que vem a calhar já que estamos falando de uma personagem esquizofrênica. Vou procurar essa sua indicação se o livro é na mesma vibe eu vou gostar ❤

  • Oi, Isa! Valorizo, viu.
    Já tentei ler esse livro umas 3x e foi o fracasso. Na última, que “li” entendi bem pouco, mas até pela minha pouca motivação mesmo.
    Tenho uma amiga que adora, inclusive já até resenhou, e ver opiniões como a sua e a dela me animam novamente.
    Bjos

    • Fico feliz que opiniões como a minha e a da sua amiga te animem a tentar ler o livro novamente.
      É realmente um livro bem confuso né, por isso tem que tá muito no momento certo pra tentar entende-lo.


Siga no instagram @leportraitdeisa